sexta-feira, novembro 25, 2005

Roque Santeiro


Hoje é um dia importante no mundo da cibermalandragem que pulula aqui e ali, na busca e rebusca de verdades, a que só alguns tem direito (e para que se saiba não é quem se pensa)...Eu cá estarei para vos receber de braços abertas, ou de punho fechado tb, enfim conforme as circunstancias o exigirem...ESte espaço passa a ser um espaço de liberdade total, mas com parametros definidos...Quem ousar falar tem de fundamentar o que diz ou em vivencias ou em estudos ou noutras formas de recolha de conhecimentos.
Aqui vamos dizer mal de muita gente, que por sua vez também diz mal de nós nalguns lugares...
Partilhem-se...E força nas palavras...Que a palavra saia em riste....

Karipande

4 comentários:

brigadeiro disse...

Tabacaria do Dádá

Não há ng que tenha vivido no pós-independencia que não conheça a tabacaria do Dádá.... Eu conheci o Dádá há muitos anos, qd ele era tudo no Sporting da Maianga, depois de ter lá jogado basquetebol e depois ter jogado no Ferrovia de Luanda...Mas nunca largou o seu Maianga, e com os juniores e juvenis no tempo do Clo-clo, lá ia na sua carrinha levar a miudagem aos jogos...
Depois da independencia, foi árbitro internacional de Angola, duma primeira fornada donde saiu o Taras-Buba (assim era conhecido o Gourgel) e o já desaparecido Kalwei (Pessoa que nunca esquecerei, como referencia enorme do basquetebol angolano e tb como cidadão estimado e amigo de todos), o Óscar Fernandes e outros...O Dádá, benfiquista dos 4 costados era , e ainda o é, correspondente do Jornal " A Bola " em Luanda, e é hoje comentador do Girabola na TPA...Durante muitos anos foi o meu fornecedor de "Hermínios" e a sua tabacaria na Mutamba era o lugar previligeado do Mugimbo desportivo luandense. Pq falámos da sua tabacaria, por causas menos Nóbregas, não queria deixar de dar daqui um enorme abraço ao OLiveira Campos, um grande senhor do desporto angolano, conhecido por todos pelo Dádá, nosso companheiro de muitas tertulias...Abro este fio para a mujimbice, com a certeza que o Dádá ficará contente por podermos vir até aqui dizer mal e bem das coisas, como o Dádá gostava de nos ouvir no balcão da sua tabacaria....So tenho pena de o ter exposto à criação de um partido, logo o Dádá, que é um defensor acérrimo do MPLA, mas que nunca perdia pitada qd nós davamos porrada no EME...
Ao OLiveira Campos aqui vai o meu abraço, e desculpa termos de ocupar de novo o exiguo balcão da tua tabacaria...

Um abraço
Fernando Pereira

brigadeiro disse...

SE há frase que me aborrece nesta sanzala ...é indiscutivelmente esta: " Falam da Guerra colonial, mas já morreram 10 vezes mais pessoas nas estradas do que na guerra"... Esta frase já se ouvia nos tempos da guerra (a tal em que os soldados morriam em acidentes de viação), mesmo qd estavam em África 75.000 militares portugueses nas tres frentes de guerra...Como não havia guerra, devia ser turismo o que andavam a fazer em Africa...Que País rico, Portugal que se dava ao luxo de ter tanta gente em turismo.
Voltando aos acidentes, acho que há uma diferença...são acidentes, enquanto a guerra era o suicídio de uma politica errada de Portugal, e os soldados inexperientes que enviavam para o talho em África...POrtanto há questões que tem de ser ponderadas e não podem ser ditas com leviandade...A guerra não é umm acidente, é a continuação da politica na ponta das baionetas...enquanto a estrada é um local onde se anda e circunstancialmente há acidentes...Só isso!!!

Uma frase fabulosa..."DEsconfio de que o Manuel Cerejeira se masturbava diáriamente no tempo dos "Grilos".Pelo menos fechava-se na casa de banho todos os fins de tarde e ficava lá mais de meia hora"
14/12/65

Dou um doce a quem adivinhar de quem é esta frase...

Um abraço
Fernando Pereira

brigadeiro disse...

Clo-Clo

Tenho aqui falado um pouco sobre um conjunto de coisas,mas de facto certas pessoas gostavam de saber a minha opinião sobre outras...Eu sou angolano por opção, mas vivendo uma parte significativa do ano em Portugal, por razões que apenas a mim me dizem respeito, eu vou divagar sobre um tema recorrente
aqui na sanzala relativo a José Eduardo dos Santos e outros dirigentes angolanos, ou figuras gradas da sociedade angolense actual.Não falo do que eles tem porque não sei, apesar de admitir que tenham bastante.
Angola herda do colonialismo o espírito do desenrasca,do amiguismo e das "luvas".Vamos a factos:Qtos chefes de posto no tempo colonial receberam dinheiro ou prendas de angariadores??'Porque é que não havia fiscalização às muitas cantinas e lojas do mato em Angola, onde a população se sentia enganada pelo Kg com 500g, ou o metro com 80cm...Não havia fiscais, nem as camaras tinham metorologistas ou aferidores???Nas estradas de Angola algum camionista se queixou de alguma multa por excesso de peso?? A desenfreada urbanização da cidade de Luanda, por exemplo ao arrepio do Plano Municipal terá sido apenas fruto de incúria?? As transferencias no Fundo Cambial eram para todos iguais???Como se obtinha uma licença de porte de arma ou uma simples licença de caça??...
Pronto por aqui fico-me sem querer prolongar nem querer desta forma desculpar a corrupção que reina na Angola actual, que existe e é factor de empobrecimento de um País...
Como sou angolano, começo a pensar que a Fátima Felgueiras é angolana!! 185 autarcas deste País que não cumprem os Planos directores municipais, e curiosamente os beneficiados são sempre os mesmos empreiteiros, curiosamente muitos deles os que abocanham todas as obras dos municipios, talvez tb sejam angolanos!! Que os 140 GNRs da brigada de transito de Albufeira são angolanos!! Que é em Angola que processos com fortes indicações de corrupção são arquivados porque prescrevem!! Que deputados não ficam sem imunidade parlamentar qd são indiciados em actos de corrupção..devem ser os deputados angolanos!! Deve ser angolano o ministro que quiz que a filha entrasse para medicina!! São angolanos em Portugal os que moram nos bairros in da periferia de Lisboa, Cova da Moura e outros!!Deve ser angolano o tipo que é funcionário publico e me resolve em tempo record algo que tenho direito a troco de uns tostões!! Deve ser angolano o fiscal da Camara a quem se dá algo para que não xateie numa obra clandestina!! deve ser angolano.... por aí fora...
Sei que nada disto é argumento, mas às vezes era bom deixar nos bolsos certas pedras para não se gastarem todas nos telhados alheios..às vezes ajudam a tapar buracos no próprio telhado...
Já agora uma pergunta inocente q. b....Qd há corrupção, há o corrupto e o corruptor...Só ouço falar de um lado!!
Hoje estou algo amargo, talvez por isso me tenha metido em assuntos portugueses, o que não devia legalmente fazer!!
E já agora, só leu o que eu escrevi quem quiz!!
Um abraço
Fernando Pereira

Belmiro disse...

Fernando
Não consigo perceber o pq de Roque Santeiro, cheira a brasil,
um abraço