quinta-feira, dezembro 11, 2008

Porque esta declaração fez neste 10 de Dezembro, 60 anos!



Preâmbulo



Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo;

Considerando que o desconhecimento e o desprezo dos direitos humanos conduziram a actos de barbárie que revoltam a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos sejam livres de falar e de crer, libertos do terror e da miséria, foi proclamado como a mais alta inspiração humanos;

Considerando que é essencial a protecção dos direitos humanos através de um regime de direito, para que o homem não seja compelido, em supremo recurso, à revolta contra a tirania e a opressão;

Considerando que é essencial encorajar o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações;

Considerando que, na Carta, os povos das Nações Unidas proclamam, de novo, a sua fé nos direitos fundamentais humanos, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres e se declararam resolvidos a favorecer o progresso social e a instaurar melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla;

Considerando que os Estados membros se comprometeram a promover, em cooperação com a Organização das Nações Unidas, o respeito universal e efectivo dos direitos humanos e das liberdades fundamentais;

Considerando que uma concepção comum destes direitos e liberdades é da mais alta importância para dar plena satisfação a tal compromisso:

A Assembléia Geral proclama a presente Declaração Universal dos Direitos humanos como ideal comum a atingir por todos os povos e todas as nações, a fim de que todos os indivíduos e todos os órgãos da sociedade, tendo-a constantemente no espírito, se esforcem, pelo ensino e pela educação, por desenvolver o respeito desses direitos e liberdades e por promover, por medidas progressivas de ordem nacional e internacional, o seu reconhecimento e a sua aplicação universais e efectivos tanto entre as populações dos próprios Estados membros como entre as dos territórios colocados sob a sua jurisdição.

Artigo 1°

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.

Artigo 2°

Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação.Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autónomo ou sujeito a alguma limitação de soberania.

Artigo 3°

Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Artigo 4°

Ninguém será mantido em escravatura ou em servidão; a escravatura e o trato dos escravos, sob todas as formas, são proibidos.

Artigo 5°

Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes.

Artigo 6°

Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento, em todos os lugares, da sua personalidade jurídica.

Artigo 7°

Todos são iguais perante a lei e, sem distinção, têm direito a igual protecção da lei. Todos têm direito a protecção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

Artigo 8°

Toda a pessoa tem direito a recurso efectivo para as jurisdições nacionais competentes contra os actos que violem os direitos fundamentais reconhecidos pela Constituição ou pela lei.

Artigo 9°

Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado.

Artigo 10°

Toda a pessoa tem direito, em plena igualdade, a que a sua causa seja equitativa e publicamente julgada por um tribunal independente e imparcial que decida dos seus direitos e obrigações ou das razões de qualquer acusação em matéria penal que contra ela seja deduzida.

Artigo 11°

Toda a pessoa acusada de um acto delituoso presume-se inocente até que a sua culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas.
Ninguém será condenado por acções ou omissões que, no momento da sua prática, não constituíam acto delituoso à face do direito interno ou internacional. Do mesmo modo, não será infligida pena mais grave do que a que era aplicável no momento em que o acto delituoso foi cometido.

Artigo 12°

Ninguém sofrerá intromissões arbitrárias na sua vida privada, na sua família, no seu domicílio ou na sua correspondência, nem ataques à sua honra e reputação. Contra tais intromissões ou ataques toda a pessoa tem direito a protecção da lei.

Artigo 13°

Toda a pessoa tem o direito de livremente circular e escolher a sua residência no interior de um Estado. Toda a pessoa tem o direito de abandonar o país em que se encontra, incluindo o seu, e o direito de regressar ao seu país.

Artigo 14°

Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países. Este direito não pode, porém, ser invocado no caso de processo realmente existente por crime de direito comum ou por actividades contrárias aos fins e aos princípios das Nações Unidas.

Artigo 15°

Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade nem do direito de mudar de nacionalidade.

Artigo 16°

A partir da idade núbil, o homem e a mulher têm o direito de casar e de constituir família, sem restrição alguma de raça, nacionalidade ou religião. Durante o casamento e na altura da sua dissolução, ambos têm direitos iguais. O casamento não pode ser celebrado sem o livre e pleno consentimento dos futuros esposos. A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à protecção desta e do Estado.

Artigo 17°

Toda a pessoa, individual ou colectivamente, tem direito à propriedade. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade.

Artigo 18°

Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos.

Artigo 19°

Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e idéias por qualquer meio de expressão.

Artigo 20°

Toda a pessoa tem direito à liberdade de reunião e de associação pacíficas.
Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.

Artigo 21°

Toda a pessoa tem o direito de tomar parte na direcção dos negócios, públicos do seu país, quer directamente, quer por intermédio de representantes livremente escolhidos. Toda a pessoa tem direito de acesso, em condições de igualdade, às funções públicas do seu país. A vontade do povo é o fundamento da autoridade dos poderes públicos: e deve exprimir-se através de eleições honestas a realizar periodicamente por sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente que salvaguarde a liberdade de voto.

Artigo 22°

Toda a pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social; e pode legitimamente exigir a satisfação dos direitos económicos, sociais e culturais indispensáveis, graças ao esforço nacional e à cooperação internacional, de harmonia com a organização e os recursos de cada país.

Artigo 23°

Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego. Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual. Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de protecção social. Toda a pessoa tem o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se filiar em sindicatos para defesa dos seus interesses.

Artigo 24°

Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres, especialmente, a uma limitação razoável da duração do trabalho e as férias periódicas pagas.

Artigo 25°

Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade.A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozam da mesma protecção social.

Artigo 26°

Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional dever ser generalizado; o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito. A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos humanos e das liberdades fundamentais e deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das actividades das Nações Unidas para a manutenção da paz. Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos.

Artigo 27°

Toda a pessoa tem o direito de tomar parte livremente na vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar no progresso científico e nos benefícios que deste resultam. Todos têm direito à protecção dos interesses morais e materiais ligados a qualquer produção científica, literária ou artística da sua autoria.

Artigo 28°

Toda a pessoa tem direito a que reine, no plano social e no plano internacional, uma ordem capaz de tornar plenamente efectivos os direitos e as liberdades enunciadas na presente Declaração.

Artigo 29°

O indivíduo tem deveres para com a comunidade, fora da qual não é possível o livre e pleno desenvolvimento da sua personalidade. No exercício destes direitos e no gozo destas liberdades ninguém está sujeito senão às limitações estabelecidas pela lei com vista exclusivamente a promover o reconhecimento e o respeito dos direitos e liberdades dos outros e a fim de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar numa sociedade democrática. Em caso algum estes direitos e liberdades poderão ser exercidos contrariamente aos fins e aos princípios das Nações Unidas.

Artigo 30°

Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada de maneira a envolver para qualquer Estado, agrupamento ou indivíduo o direito de se entregar a alguma actividade ou de praticar algum acto destinado a destruir os direitos e liberdades aqui enunciados.

domingo, novembro 16, 2008

Tempos Modernos / Carlos Drummond de Andrade!


TÍTULO DO FILME: TEMPOS MODERNOS (Modern Times, EUA 1936)
DIREÇÃO: Charles Chaplin
ELENCO: Charles Chaplin, Paulette Goddard, 87 min. preto e branco, Continental



RESUMO

Trata-se do último filme mudo de Chaplin, que focaliza a vida urbana nos Estados Unidos nos anos 30, imediatamente após a crise de 1929, quando a depressão atingiu toda sociedade norte-americana, levando grande parte da população ao desemprego e à fome.
A figura central do filme é Carlitos, o personagem clássico de Chaplin, que ao conseguir emprego numa grande indústria, transforma-se em líder grevista conhecendo uma jovem, por quem se apaixona. O filme focaliza a vida do na sociedade industrial caracterizada pela produção com base no sistema de linha de montagem e especialização do trabalho. É uma crítica à "modernidade" e ao capitalismo representado pelo modelo de industrialização, onde o operário é engolido pelo poder do capital e perseguido por suas idéias "subversivas".
Em sua Segunda parte o filme trata das desigualdades entre a vida dos pobres e das camadas mais abastadas, sem representar contudo, diferenças nas perspectivas de vida de cada grupo. Mostra ainda que a mesma sociedade capitalista que explora o proletariado, alimenta todo conforto e diversão para burguesia. Cenas como a que Carlitos e a menina órfã conversam no jardim de uma casa, ou aquela em que Carlitos e sua namorada encontram-se numa loja de departamento, ilustram bem essas questões.
Se inicialmente o lançamento do filme chegou a dar prejuízo, mais tarde tornou-se um clássico na história do cinema. Chegou a ser proibido na Alemanha de Hilter e na Itália de Mussolini por ser considerado "socialista". Aliás, nesse aspecto Chaplin foi boicotado também em seu próprio país na época do "macartismo".
Juntamente com O Garoto e O Grande Ditador, Tempos Modernos está entre os filmes mais conhecidos do ator e diretor Charles Chaplin, sendo considerado um marco na história do cinema.
http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=181

Canto ao Homem do Povo - Charles Chaplin
Carlos Drummond de Andrade


I


Era preciso que um poeta brasileiro,
não dos maiores, porém dos mais expostos à galhofa,
girando um pouco em tua atmosfera ou nela aspirando a viver
como na poética e essencial atmosfera dos sonhos lúcidos,

era preciso que esse pequeno cantor teimoso,
de ritmos elementares, vindo da cidadezinha do interior
onde nem sempre se usa gravatas mas todos são extremamente polidos
e a opressão é detestada, se bem que o heroísmo se banhe em ironia,

era preciso que um antigo rapaz de vinte anos,
preso à tua pantomima por filamentos de ternura e riso dispersos no tempo,
viesse recompô-los e, homem maduro, te visitasse
para dizer-te algumas coisas, sobcolor de poema.

Para dizer-te como os brasileiros te amam
e que nisso, como em tudo mais, nossa gente se parece
com qualquer gente do mundo - inclusive os pequenos judeus
de bengalinha e chapéu-coco, sapatos compridos, olhos melancólicos,

vagabundos que o mundo repeliu, mas zombam e vivem
nos filmes, nas ruas tortas com tabuletas: Fábrica, Barbeiro, Polícia,
e vencem a fome, iludem a brutalidade, prolongam o amor
como um segredo dito no ouvido de um homem do povo caído na rua.

Bem sei que o discurso, acalanto burguês, não te envaidece,
e costumas dormir enquanto os veementes inauguram estátua,
e entre tantas palavras que como carros percorrem as ruas,
só as mais humildes, de xingamento ou beijo, te penetram.

Não é a saudação dos devotos nem dos partidários que te ofereço,
eles não existem, mas a de homens comuns, numa cidade comum,
nem faço muita questão da matéria de meu canto ora em torno de ti
como um ramo de flores absurdas mando por via postal ao inventor dos jardins.

Falam por mim os que estavam sujos de tristeza e feroz desgosto de tudo,
que entraram no cinema com a aflição de ratos fugindo da vida,
são duras horas de anestesia, ouçamos um pouco de música,
visitemos no escuro as imagens - e te descobriram e salvaram-se.

Falam por mim os abandonados da justiça, os simples de coração,
os parias, os falidos, os mutilados, os deficientes, os indecisos, os líricos, os cismarentos,
os irresponsáveis, os pueris, os cariciosos, os loucos e os patéticos.

E falam as flores que tanto amas quando pisadas,
falam os tocos de vela, que comes na extrema penúria, falam a mesa, os botões,
os instrumentos do ofício e as mil coisas aparentemente fechadas,
cada troço, cada objeto do sótão, quanto mais obscuros mais falam.

II


A noite banha tua roupa.
Mal a disfarças no colete mosqueado,
no gelado peitilho de baile,
de um impossível baile sem orquídeas.
És condenado ao negro. Tuas calças
confundem-se com a treva. Teus sapatos
inchados, no escuro do beco,
são cogumelos noturnos. A quase cartola,
sol negro, cobre tudo isto, sem raios.
Assim, noturno cidadão de uma república
enlutada, surges a nossos olhos
pessimistas, que te inspecionam e meditam:
Eis o tenebroso, o viúvo, o inconsolado,
o corvo, o nunca-mais, o chegado muito tarde
a um mundo muito velho.
E a lua pousa
em teu rosto. Branco, de morte caiado,
que sepulcros evoca mas que hastes
submarinas e álgidas e espelhos
e lírios que o tirano decepou, e faces
amortalhadas em farinha. O bigode
negro cresce em ti como um aviso
e logo se interrompe. É negro, curto,
espesso. O rosto branco, de lunar matéria,
face cortada em lençol, risco na parede,
caderno de infância, apenas imagem
entretanto os olhos são profundos e a boca vem de longe,
sozinha, experiente, calada vem a boca
sorrir, aurora, para todos.
E já não sentimos a noite,
e a morte nos evita, e diminuímos
como se ao contato de tua bengala mágica voltássemos
ao país secreto onde dormem os meninos.
Já não é o escritório e mil fichas,
nem a garagem, a universidade, o alarme,
é realmente a rua abolida, lojas repletas,
e vamos contigo arrebentar vidraças,
e vamos jogar o guarda no chão,
e na pessoa humana vamos redescobrir
aquele lugar - cuidado! - que atrai os pontapés: sentenças
de uma justiça não oficial.

III
(...)
IV
(...)
V


Uma cega te ama. Os olhos abrem-se.
Não, não te ama. Um rico, em álcool,
é teu amigo e lúcido repele
tua riqueza. A confusão é nossa, que esquecemos
o que há de água, de sopro e de inocência
no fundo de cada um de nós, terrestres. Mas, ó mitos
que cultuamos, falsos: flores pardas,
anjos desleais, cofres redondos, arquejos
poéticos acadêmicos; convenções
do branco, azul e roxo; maquinismos,
telegramas em série, e fábricas e fábricas
e fábricas de lâmpadas, proibições, auroras.
Ficaste apenas um operário
comandado pela voz colérica do megafone.
És parafuso, gesto, esgar.
Recolho teus pedaços: ainda vibram,
lagarto mutilado.

Colo teus pedaços. Unidade
estranha é a tua, em mundo assim pulverizado.
E nós, que a cada passo nos cobrimos
e nos despimos e nos mascaramos,
mal retemos em ti o mesmo homem,
aprendiz
bombeiro
caixeiro
doceiro
emigrante
forçado
maquinista
noivo
patinador
soldado
músico
peregrino
artista de circo
marquês
marinheiro
carregador de piano
apenas sempre entretanto tu mesmo,
o que não está de acordo e é meigo,
o incapaz de propriedade, o pé
errante, a estrada
fugindo, o amigo
que desejaríamos reter
na chuva, no espelho, na memória
e todavia perdemos

VI


Já não penso em ti. Penso no ofício
a que te entregas. Estranho relojoeiro
cheiras a peça desmontada: as molas unem-se,
o tempo anda. És vidraceiro.
Varres a rua. Não importa
que o desejo de partir te roa; e a esquina
faça de ti outro homem; e a lógica
te afaste de seus frios privilégios.

Há o trabalho em ti, mas caprichoso,
mas benigno,
e dele surgem artes não burguesas,
produtos de ar e lágrimas, indumentos
que nos dão asa ou pétalas, e trens
e navios sem aço, onde os amigos
fazendo roda viajam pelo tempo,
livros se animam, quadros se conversam,
e tudo libertado se resolve
numa efusão de amor sem paga, e riso, e sol.

O ofício é o ofício
que assim te põe no meio de nós todos,
vagabundo entre dois horários; mão sabida
no bater, no cortar, no fiar, no rebocar,
o pé insiste em levar-te pelo mundo,
a mão pega a ferramenta: é uma navalha,
e ao compasso de Brahms fazes a barba
neste salão desmemoriado no centro do mundo oprimido
onde ao fim de tanto silêncio e oco te recobramos.

Foi bom que te calasses.
Meditavas na sombra das chaves,
das correntes, das roupas riscadas, das cercas de arame,
juntavas palavras duras, pedras, cimento, bombas, invectivas,
anotavas com lápis secreto a morte de mil, a boca sangrenta
de mil, os braços cruzados de mil.

E nada dizias. E um bolo, um engulho
formando-se. E as palavras subindo.
Ó palavras desmoralizadas, entretanto salvas, ditas de novo.
Poder da voz humana inventando novos vocábulos e dando sopros exaustos.
Dignidade da boca, aberta em ira justa e amor profundo,
crispação do ser humano, árvore irritada, contra a miséria e a fúria dos ditadores,
ó Carlito, meu e nosso amigo, teus sapatos e teu bigode
caminham numa estrada de pó e de esperança.

http://www.culturabrasil.pro.br/chaplinhomemdopovo.htm

__________________

sábado, novembro 15, 2008

Um interessante artigo da minha colega Filomena Embaló


Friday, November 14, 2008
A «ILEGITIMIDADE» DA IDENTIDADE NACIONAL


Filomena Embaló

fembalo@gmail.com

08.11.2008

A eleição de Barack Obama à magistratura suprema dos Estados Unidos da América constitui um acontecimento sem precedentes na história deste país. O sonho de Martin Luther King começa finalmente a tornar-se realidade: o sonho de negros e brancos estadunidenses viverem harmoniosamente e serem iguais.
Barack Obama, filho de um imigrante queniano e de uma norte-americana branca, mestiço ou "bi-racial" como se diz localmente, "afro-americano", "negro", foi escolhido pelos eleitores do seu país para, durante os próximos quatro anos, dirigir os destinos da Nação e representá-la no mundo inteiro. Foi uma vitória pessoal, mas também a de toda a comunidade "afro-americana" que durante mais de dois séculos vem lutando pela igualdade de direitos e contra a discriminação.
O continente africano jubilou também com este plebiscito, pois um "filho de África" estará ao leme da primeira potência mundial, glorificando assim o continente e os povos africanos. Com ele espera-se um outro olhar e uma nova sensibilidade da Casa Branca em relação à África.
Apesar da sua origem africana, Obama é acima de tudo um cidadão dos Estados Unidos, Foi lá que ele nasceu e viveu. A sua nacionalidade é a norte-americana. A sua cultura é a cultura norte-americana, com a qual se identifica. Ele partilha com todos os estadunidenses os mesmos valores, a mesma identidade nacional, o mesmo "sentir norte-americano", a mesma língua, o mesmo solo, a mesma História e a mesma bandeira. E tudo isso faz dele um cidadão de pleno direito que hoje o elevou à mais alta magistratura da Nação.
E, como disse, a África está orgulhosa deste "filho" e muitas foram as individualidades africanas que nas antenas das rádios internacionais disseram que os Estados Unidos mostraram que ainda podem dar lições ao mundo e em particular à "velha" Europa. E eu acrescentaria: e sobretudo à Mãe África, estripada pela violência da intolerância!
Pois, pergunto-me, se Obama tivesse nascido num país africano, de mãe originária desse país e de pai imigrante (ou vice-versa), em quantos países ele seria elegível à presidência da República? A lista não deve ser muito longa...
Na Guiné-Bissau, infelizmente, ele não teria esse privilégio, uma vez que o Artigo 63°-2 da Constituição diz serem "elegíveis para o cargo de Presidente da República os cidadãos eleitores guineenses de origem, filhos de pais guineenses de origem, maiores de 35 anos de idade, no pleno gozo dos seus direitos civis e políticos", com a ambiguidade de não se saber o que se entende por "guineense de origem", ou a partir de que geração se é considerado ser "guineense de origem"... O maior paradoxo disto é o facto destes critérios excluírem o próprio Fundador da nacionalidade guineense, Amilcar Cabral.
Quantos "obamas "guineenses existem na Guiné-Bissau? Quantos guineenses nascidos de um genitor guineense e de outro estrangeiro que viveram sempre na Guiné-Bissau, sem nunca ter tido outra nacionalidade que não a guineense e sem qualquer contacto com o país de origem do genitor estrangeiro, estão interditados de se candidatarem às eleições presidenciais?
Serão eles menos guineenses do que os que têm ambos os pais de "origem guineense"? Não partilham eles com os seus compatriotas os mesmos valores, a mesma identidade nacional, o mesmo "sentir guineense", a mesma língua nacional, o mesmo solo, a mesma História e a mesma bandeira, tal como Obama com os seus compatriotas? Será a identidade nacional guineense uma noção vazia que não dá qualquer legitimidade ao cidadão?
Por quê esta discriminação, quando o Artigo 24° da Constituição da República diz que "Todos os cidadãos são iguais perante a lei, gozam dos mesmos direitos e estão sujeitos aos mesmos deveres, sem distinção de raça, sexo, nível social, intelectual ou cultural, crença religiosa ou convicção filosófica"? As disposições do Artigo 36°-2 não serão uma discriminação racial? Não estaremos perante uma contradição entre as disposições destes dois artigos da Lei Fundamental?
A Guiné-Bissau, como país colonizado que foi e como terra de acolhimento que tem sido, terá que aprender a assumir a integralidade da sua história, bem como a população que hoje tem, fruto dessa história.
Esperamos que a eleição do Presidente Obama, para além de trazer as tão esperadas estabilidade e paz no mundo, constitua, em particular para o continente africano, um exemplo de tolerância, em que cidadãos com as mais diversas origens escolheram um presidente não pela cor da sua pele ou pelas suas origens, mas pelas ideias e valores que defende.
E se nós, africanos, também tivéssemos um sonho?... Não é o sonho que comanda a vida? Tudo depende do nosso querer, pois, querendo, we can!
Publicado em: Projecto Guiné-Bissau: CONTRIBUTO

Gustavo Costa /"O PRIMEIRO MINISTRO E A FRAUDE EMPRESARIAL PÚBLICA.


Não resisto a transcrever aqui um texto publicado no NOVO JORNAL de hoje, assinado pelo seu Director-Adjunto, GUSTAVO COSTA, e subordinado ao título "O PRIMEIRO MINISTRO E A FRAUDE EMPRESARIAL PÚBLICA.

Quando, aqui há umas semanas, questioneia «obesidade governamental», inquietavam-
me também algumas «traquinices» daqueles que se auto-intitulando de
gestores» de empresas públicas estão a tiraro sono tanto a economistas sérios, como
a contribuintes igualmente sérios.
Depois de ter anunciado o saneamento das empresas públicas, o que o Primeiro-Ministro,Paulo Kassoma, terá agora de enfrentar, nãosão apenas essas «traquinices», mas a difícilcaminhada que será necessário empreender para as sanear, de alto a baixo, devolver-lhessaúde financeira, insuflar-lhes capacidade degestão, prepará-las para a concorrência, num mercado cada vez mais «feroz», e restituir-lhesdignidade moral e empresarial.
O Primeiro-Ministro terá também que promovera descentralização empresarial para
criar pólos de desenvolvimento fora de Luanda e da restante orla marítima. Trata-se deuma «cesariana» que pode vir a traumatizar os progenitores de «crianças», que tendo sido momentaneamente «dopadas», encarnarama força de «elefantes brancos» que, afinal,têm pés de barro e cabeça de tolos. E, de quem é, em parte, a esponsabilidade por essedesvario?
Desde logo, do Estado por se ter imposto nopassado, de forma paternalista e demagógica,como o principal «guarda-chuva» de admissõese promoções populistas. Logo, esse mesmo Estado vai ter de assumir agora o despedimento de mão-de-obra excedentária e,na maior parte dos casos, desqualificada, que custa aos seus cofres todos os meses milhões de dólares.
Esse é um desafio inadiável e esperemos que não adormeça à cesta na retórica. Mais do
que recomendável, é imperativo que a «purga» se estenda, sem excepção, a todas as empresas públicas e não apenas à TAAG. Essa é,de resto, uma condição essencial para dar o pontapé de saída à moralização de um dos pilares da nossa economia: as empresas.
Mas, sanear o pessoal excedentário dalguns desses «monstros» não é o único desafio quese coloca aos novos governantes, que agora astêm sob a sua tutela. Mais do que isso, será necessário introduzir uma nova e moderna culturade gestão empresarial. Porquê? Porque há gente, há mais de vinte anos, à frente de empresasque não sabe sequer lavrar um ofício.
Há «gestores-economistas» que argumentamque a «raíz quadrada» nem sempre dácerto! Há ainda empresas que têm, proporcionalmente,tantos trabalhadores quantos «chefes». Há gente, nestas circunstâncias,que não prestando contas ao Estado,também não sabe como fazê-lo, porque nem sequer sabe calcular a taxa de juros de empréstimoscontraídos pelas empresas que é suposto gerirem. Custa acreditar, mas a verdade é que «gestores» deste descalabro,sentem-se confortavelmente acomodados…Essa «fraude» nem sequer precisa de ser descodificada.
Os poros dos seus autores, desprovidos,na maior parte dos casos, da maiselementar noção de gestão, destilam má relaçãocom o dinheiro, «ódio» pelas normas administrativas, esbanjamento de recursos e uma crónica incapacidade governativa. As
empresas adormeceram à espera de decisõespolíticas, que nunca chegaram ao destino.
Vítimas de abusos de poder, a única coisacerta nelas é que, afinal, tudo ou quase tudo,estava errado! Resultado: mal educadase, pior, habituadas ao proteccionismo do Estado,a deriva na maior parte delas é total!
Quem a provocou, como «gestor» público,não pode agora ser desculpado, mesmo porque,
depois de ter endossado «cheques em branco» aos contribuintes, as desculpas não
se pedem, antes evitam-se!
Agora, só há um caminho a seguir: que Deus nos livre rapidamente desses pseudo-gestores!
Eles que sejam substituídos por gentecompetente, gente que saiba perseguir a
competitividade, a dignificação profissionale o lucro como o «soro» que há-de alimentaras veias da economia de Angola, fora da orlado petróleo e dos diamantes.
O Estado tem de os substituir porque nessas empresas tiveram a «gentileza» de fazer
da capitulação profissional e do vazio ético,dois dos símbolos da decadência do seu «modelo» de gestão.
O que estas engravatadas criaturas demonstram saber fazer bem é ostentar fatos Armani,BMW X6, relógio «Rolex», cabelo cheio degel e forjar «viagens em serviço» ao exterior do país com fins turísticos…
Alguns deles, de mediocridade pavorosa, como diria Baptista Bastos, um dos maiores
cronistas portugueses, não dão conta sequer de que, mais do que sofríveis, são doentiamente insignificantes! Não estão preocupados com a gestão empresarial mas apenas obcecados com o poder empresarial. Pensam que só sabem mandar. Acontece que, desgraçadamente,não sabem fazer nem uma coisa, nem outra!Não sabem mandar e, pior do que isso, muito menos pensar. E o que o país mais precisa,neste momento, é de gente que saiba pensar e gerir. Gente que saiba formular uma nova ideia de administração empresarial pública,com o concurso de jovens tecnocratas, ávidos por libertar novas competências e modernas técnicas de gestão ou mesmo com recurso a gestores expatriados.
Gente que saiba levar as empresas públicas a ganhar músculo e a perder gordura. Porque o que a experiência comprova hoje, é que, na maior parte delas – e a crítica aqui não deve ser confundida como uma defesa da sua privatização - já só resta a poeira de um império esquelético.
Agora há que projectar «fénix» para sanear primeiro e depois delinear uma nova filosofia de gestão para o sector empresarial público em Angola. Mas, sanear para quê?
Sanear para levantar o tapete, destapar aporcaria nele incrustada e sepultar «mitos».
Sanear para quê? Sanear para pôr ordem namaioria das empresas públicas, que estão
transformadas em autênticas agências «funerárias» de emprego.
Sanear para quê? Sanear para enterrar «cadáveres» que exalam um cheiro pestilento
sobre um modelo de gestão miserável.
Sanear para quê? Sanear para «sepultar»também clientelas que se alimentam do tráfico
de influência e da corrupção.
Sanear para quê? Sanear para não sermos contaminados pelo vírus de pseudo-gestores
que só sabem exibir incompetência, promover o nepotismo e, pasme-se!, auto-elogiar,
em praça pública, a sua irresponsabilidade empresarial, expondo, sem quaisquer pudores,em museus de maus costumes, a arte do…desperdício, do roubo e da imoralidade…presarial pública…

terça-feira, novembro 11, 2008

Um texto do Manuel Rui que "gamei" por aí...


OBAMA E UM ACTO DE CULTURA UNIVERSAL


Manuel Rui Monteiro


poeta angolano

Eu sempre me confundi na realidade com a utopia. Ou na insatisfação constante como forma quase de fingir felicidade na busca, na procura e imitação de coisas muito simples como o voar dos pássaros, o declinar do sol, o brilho das estrelas e o mistério das conchas que aconteciam com os meus pés à beira mar na areia. Sempre não me conseguindo encontrar com o paraíso do infinitamente bom e infinitamente belo para todos, quase desinfinitando a morte que é o único lugar infinito mas parte da vida, o infinitamente belo que até poderia ser um contraste com o infinitamente bom que sempre para mim ficaram sem ser, iguais à inexistência ou à infelicidade de não procurar mais nada, muito antes da nostalgia ou depois da saudade da morte.
Afinal viver é também não imaginar aquilo que pode acontecer enquanto estamos vivos. Só que eu nunca pensei que em vida, para além de tanta coisa que estava, ainda que muito longe, mas no horizonte por detrás da noite e da nuvem, pudesse ainda ter vivido sonhos, porque a minha geração viveu sonhos depois de os ter sonhado no passa-palavra de muitos silêncios. E também viveu a morte de muita alegria triste.
Mas agora era demais. Numa data e hora em que um grande amigo meu fazia anos. Quatro de Novembro. Eu a telefonar-lhe e ele quase ou mesmo esquecido do seu aniversário por causa de OBAMA.
Era algo que nos tocava e falámos ao telefone. Porque era uma coisa que estava impensada no nosso tempo. A utopia tinha ultrapassado a nossa imaginação. Já não era tanto uma eleição ou uma vitória. Fazia semanas que vivíamos a novidade. Principalmente porque OBAMA falara mais ou menos que se mudarmos a sala podemos mudar a casa; e se mudarmos a casa podemos mudar a rua; e se mudarmos a rua podemos mudar a cidade; e se mudarmos a cidade podemos mudar o estado; e se mudarmos o estado podemos mudar o País; e se mudarmos o País podemos mudar o mundo. OBAMA, em gesto de sagrado, no discurso de Filadélfia, tirou o pé do tiro do reverendo Jeremiah Wright. Embora o reverendo tivesse razão mas era uma razão da memória e da injustiça. Uma razão sobre os que haviam sido negados como pessoas, deixando suor e sangue nas plantações de tabaco e açúcar. Uma razão que podia ser entendida como rancor.
Nesse discurso, OBAMA trouxe uma utopia ligando a jovem Ashley e um mais velho que estava ali por Ashley estar.
No dia e hora em que escrevo este texto ainda não sei se OBAMA ganhou. Mas não é tanto por isso que estou a escrever. É mais por causa do outro que nunca percebeu que eu existo e ele só pode ser também se deixar de estar assim para podermos ser todos.
OBAMA tem um significado do maior acto de cultura universal do início deste século. No século passado, quem tinha televisão ficou uma noite inteira à espera que um homem pisasse a lua.
Neste princípio de século, OBAMA conseguiu criar uma energia, um astral de muitas mãos inteiras pelo pensamento de pessoas de todas as partes do mundo, numa corrente parecida com uma constelação de paz sem fronteiras. E Isso é um acto de cultura que vai ficar.
Não importa que este Messias traga milagres. Importa é o milagre cultural de pôr uma boa parte do mundo inteiro a olhar para ele como um salvador e perder uma noite só a olhar para um televisor como se OBAMA fosse uma madrugada.
No século passado, foram à lua. Agora OBAMA parece que desceu da lua e chegou à terra.
No século passado foi Mandela.
Mas antes de Mandela, o reverendo Luter King já tinha orado que tinha um sonho. O reverendo foi assassinado por causa do sonho.
Mandela tornou realidade um bocado do sonho do reverendo. Por cima de tanta memória que sobrou para os blues.
OBAMA acrescenta mais um bocado de realidade ao sonho do reverendo.
Como Agostinho Neto deixou escrito:
E DO DRAMA INTENSO


DUMA VIDA IMENSA E ÚTIL


RESULTOU CERTEZA
AS MINHAS MÃOS COLOCARAM PEDRAS


NOS ALICERCES DO MUNDO


MEREÇO O MEU PEDAÇO DE PÃO.
manuel rui

sábado, novembro 08, 2008

Martin Luther King



"Hoje, na noite do mundo e na esperança da Boa Nova, eu afirmo com audácia minha fé no futuro da humanidade. Recuso crer que as circunstâncias actuais tornem os homens incapazes de fazer uma terra melhor. Recuso crer que o ser humano não seja mais do que um boneco de palha agitado pela corrente da vida, sem ter a possibilidade de influir minimamente no curso dos acontecimentos. Recuso-me a partilhar a opinião dos que pretendem que o homem está de tal maneira prisioneiro da noite sem estrelas, da guerra e do racismo, que a aurora luminosa da paz e da fraternidade não possa nunca tornar-se realidade. Recuso fazer minha a predição cínica daqueles que dizem que os povos mergulharão, um após outro, no turbilhão do militarismo, até o inferno da destruição termonuclear. Eu creio que a verdade e o amor incondicionais terão efectivamente a última palavra. A vida, ainda que provisoriamente derrotada, é sempre mais forte que a morte. Eu creio firmemente que, mesmo no meio das bombas que explodem e dos canhões que troam, permanece a esperança de um amanhã radioso. Ouso crer que, um dia, todos os habitantes da terra poderão receber três refeições por dia para a vida de seu corpo, a educação e a cultura para a saúde de seu espírito, a igualdade e a liberdade para a vida de seus corações. Creio, igualmente, que um dia toda a humanidade reconhecerá em Deus a fonte do seu amor. Creio que a bondade salvadora e pacífica um dia será lei. O lobo e o cordeiro poderão repousar juntos, todo homem poderá sentar-se sob a sua figueira, na sua vinha e ninguém terá motivo para ter medo. Creio firmemente que triunfaremos." (Martin Luther King)

segunda-feira, outubro 27, 2008

Faltava aqui uma fotocópia do Pacheco Pereira na lusofonia!

Na minha biblioteca, que nem sequer é particularmente valiosa, há muitíssimo mais títulos do que em todas as livravrias angolanas juntas"- José Eduardo Agualusa
Angolense (original)

quinta-feira, setembro 11, 2008

Pela boca morre o peixe!





Angola/Eleições: Resultados são "assustadores para a democracia", diz José Eduardo Agualusa
10 de Setembro de 2008, 16:31

Lisboa, 10 Set (Lusa) - O jornalista e escritor angolano José Eduardo Agualusa defendeu hoje que os resultados das eleições legislativas de sexta-feira em Angola são "assustadores para a democracia", com o espectro de um "pensamento político único" nos próximos anos.

Em declarações por telefone à Agência Lusa, Agualusa considerou que os resultados, apontando para uma vitória do MPLA com mais de 80 por cento, representam "um regresso ao partido único", com a desvantagem de, agora, ser legitimado pelo voto.

"Os resultados são assustadores e preocupantes. É um regresso ao partido único, só que através do voto. Não há democracia sem oposição. Não há correntes de pensamento no Parlamento, por excelência, a casa da discussão democrática", sublinhou Agualusa desde Bruxelas, onde participa, quinta-feira de manhã, num evento promovido pelo Parlamento Europeu.

Sobre esta questão, o porta voz do MPLA recusou hoje a possibilidade de a esmagadora vitória alcançada nas eleições legislativas de sexta-feira poder levar a um sistema virtual de partido único em Angola.

Respondendo aos jornalistas depois da declaração de vitória nas legislativas, o porta voz do MPLA, Norberto dos Santos "Kawata Kanawa", fez a comparação com a Europa, "onde as vitórias alargadas não conduzem a regressos dos partidos únicos", garantindo que "em Angola também será assim".

José Eduardo Agualusa, mostrando-se também "extremamente preocupado" com a pressa do reconhecimento da validade dos resultados, comparou, sem os pôr em causa, com uma eventual situação idêntica registada em Portugal ou noutro qualquer país europeu.

"Não acredito que ninguém ficasse preocupado. Os comentadores e jornalistas debateriam tudo até à exaustão. Só que é Angola... O resultado das eleições é um revés para a democracia e um pouco assustador. A grandeza da democracia está na diversidade de opinião e não na pobreza de pensamento", sustentou, aludindo ao facto de o futuro Parlamento angolano perder várias forças políticas.

Nesse sentido, Agualusa não deu qualquer importância ao facto de as principais forças da oposição ao MPLA não se terem unido em torno de um só objectivo, derrubar o partido no poder desde a independência, em 1975, defendendo que cada partido "tem a sua visão política".

"A oposição não tinha de se juntar, uma vez que cada partido tem a sua visão. Não concordo com essa ideia" de unificação da oposição para combater o poder do MPLA, explicou o jornalista e escritor angolano, lembrando que o Parlamento saído das eleições de 1992, as primeiras, era mais equilibrado.

De acordo com os últimos resultados, ainda provisórios, o MPLA tem mais de 80 por cento dos votos, enquanto a UNITA, principal partido da oposição, aparece em segundo lugar mas apenas com pouco mais de dez por cento dos votos.

sábado, agosto 16, 2008

A um poeta menor

1361 - A un Poeta Menor de 1899



Dejar un verso para la hora triste
que en el confin del día nos acecha,
ligar tu nombre a su doliente fecha
de oro y de vaga sombra. Eso quisiste.
!Con qué pasión, al declinar el día,
trabajarías el extraño verso
que, hasta la dispersión del universo,
la hora de extraño azul confirmaría!
No sé si lo lograste ni siquiera,
vago hermano mayor, si has existido,
pero estoy solo y quiero que el olvido
restituya a los días tu ligera
sombra para este ya cansado alarde
de unas palabras en que esté la tarde.

(Jorge Luis Borges)

domingo, julho 27, 2008

Maysa no Dundo





Esta foto foi tirada no Dundo, na Casa do Pessoal. O Dundo era a capital administrativa da Companhia de Diamantes de Angola, no leste de Angola.

Periodicamente, iam lá actuar as estrelas do momento. Esta foto será do início da década de 60.

O Rueda já tinha saído do Thilo's Combo, não sei, não conheço os outros músicos. A cantora é a Maysa Mataraso, que, como deves saber, era um must na época. Cantava coisas do tipo "A Noite de Meu Bem"... da Dolores Duran, por aí fora.

Cortesia de ViCky em :
http://guedelhudos.blogspot.com/

segunda-feira, julho 21, 2008

A verdadeira Grande Marcha



Não há nada de maoismo nesta marcha...
Hoje já são os netos destes valorosos portistas que são tão campeões como os seu antepassados eram...
Só tenho a dizer
Ontem como Hoje Amanhã seremos campeões!

sexta-feira, julho 18, 2008

Guerra Civil de Espanha


Bom site de fotos da guerra civil de Espanha!

quarta-feira, julho 09, 2008

Joaquim Namorado, um amigo que recordo com saudade!

Recordando as palavras de Joaquim Namorado. Tão vivas e necessárias como nos anos quarenta...

Já não há mordaças, nem ameaças, nem algemas,
que possam perturbar a nossa caminhada,
em que os poetas são os próprios versos dos poemas
e onde cada poema é uma bandeira desfraldada.

Ninguém fala em parar ou regressar
Ninguém teme as mordaças ou algemas
-- o braço que bater há-de cansar
e os Poetas são os próprios versos dos poemas.

Versos brandos... Ninguém mos peça agora.
-- Eu já não me pertenço: sou da Hora.
E não há mordaças, nem ameaças, nem algemas,

que possam perturbar a nossa caminhada
onde cada poema é uma bandeira desfraldada
e os poetas são os próprios versos dos poemas.

(Sidónio Muralha, in Passagem de Nível, Coimbra, «Novo Cancioneiro», 1942, pp.22-23)

sexta-feira, julho 04, 2008

Noanda-Angola


Meu Kamba Kinito;



Já deves estar a me falar mal né? Epá sabes como é a vida aqui está a ficar apertada, e os kumbús cada vez mais coxito. Agora fui mas arranjar uma 2ª dama, uma miúda boa ali do BO e que está a dar cabo da minha cabeça, e do meu bolso (é toda hora dinheiro para pagar Universidade, Escola de Condução, e saldo para o telefone e outros mambos e quê).

Mano a nossa Luanda aqui continua na mesma, só que agora deixou de ser a cidade da Kianda passou a ser “ Noanda” a cidade que não anda! Há umas semanas atrás aqui na zona da Boavista um camião contentorizado avariou e aquilo é que foi um caos, nenhum carro passava, um autêntico engarrafamento. Naquele dia era mesmo “ Angola em Movimento”, uma autêntica maratona todo mundo a apear.



É meu mano a Engarrafobia (horror aos engarrafamentos) uma doença que já esta a tomar conta de Luanda. Longas filas de carros, estradas esburacadas, ruas fechadas tudo mal. S. Tomas que manda nos Transportes no ajuda só uê, kota HC das Obras Públicas deixa ainda um pouco de lado as obras privadas e se preocupa também com as obras públicas, deixa também de rodeios e dos Rodeos e resolve só as makas das estradas meu! Tia Xica de Luanda, você que está com a bola toda, que arrancaste com toda a força (ou é só força do inicio, ou é por causa das eleições), resolve os mambos e pelos menos nos promete: Estradas novas em Setembro.

Por causa destas porcarias dos engarrafamentos, os candengues lá do bairro já chamam o tio Zé Domingos de: “ Man Mbaia”. É porque o kota anda a cortar caminho para fugir os engarrafamentos, por as estradas principais (as chamadas primárias, pois aqui há as secundárias, terciárias e etc.) andam todas congestionadas e ele tem de estar a fugir deles e entrar pelos becos, levando-o a fazer o movimento típico dos taxistas: A Mbaia. Por isso agora nome dele virou Man Mbaia.



Então Kinito até na igreja o engarrafamento é também motivo para te sacar kumbú. Então no outro dia o pastor de uma igreja de nome Universal – Única e Verdadeira Salvação, ou também Unidos Vamos te Enganar e Roubar o teu Salário. Começou já o culto assim (É então angolano mas está a falar tipo é brasileiro, porque lhe disseram que o sotaque brasileiro é melhor quando se trata de enganar o povo):



- «Meu irmão, você que mora ali no Benfica, você que enfrenta engarrafamento todo o dia, você que não tem Jesus na sua vida. Hoje eu tenho uma palavra para você: Jesus vai lhe mostrar o caminho, vai lhe abrir as estradas e acabar com o engarrafamento na sua vida.

Porque esse engarrafamento meu irmão é coisa do Demónio! É o Demónio que não quer que você chegue cedo ao serviço, é o Demónio que provoca o engarrafamento para lhe atrasar a sua vida. Por isso está amarrado o engarrafamento na sua vida! Meu irmão, não pense que o engarrafamento que você enfrenta todo o dia é culpa do Governo, não! Ele é obra do Demónio. Por isso o Pastor Jonas vai impor as mãos, e vocês vão fechar os olhos e depois você vai contribuir com o seu dinheirinho para a campanha de combate ao engarrafamento».



Já viste Kinito, hoje já engarrafamento é coisa do Demónio? Não é mas culpa do Governo, das estradas esburacadas, dos taxistas e etc..? Aqui mesmo ganhar dinheiro é fácil porra pá.



Agora mudando de assunto, me perguntaste como ficou então o inquérito sobre a derrocada da DNIC? Tens razão desde o dia 29 de Março que o prédio desabou e até agora nada né? Já está quase a fazer 90 dias. Olha os candengues aqui da banda até já se anteciparam aos inspectores e apresentaram 3 propostas para o resultado dos inquéritos:



1ª Proposta (apresentada pelo dengue Netinho Kiolho) cujo resultado é: DNIC – Devíamos Necessariamente Incriminar o Cerqueira.

2ª Proposta (apresentada pelo dengue Kito Bebucho) cujo resultado é: DNIC – Dom Ngongo Ignora Cidadãos

3º Proposta (apresentada pela Minga do Tio Manuel) cujo resultado é: DNIC – Deixa o Ngongo Inventar Conversas.



Mas a proposta mesmo que ganhou todos os mambos foi a apresentada pelo Zezito Nguimbola, e que reuniu consenso quanto ao resultado final deste inquérito cujo resultados andaram no segredo dos Deuses:



DNIC – Detectamos Negligência e Incompetência Crónica.



Ainda falando nesse mambos de polícia, a dupla PIN & PUK (Já sabes quem são né?) decidiu acabar com o Pandamónio (Será que é o mesmo que Pandemónio, ou é um demónio que encarnou num Panda?) e acabaram com este “ Canal Panda” que estava a querer lhes tirar protagonismo, e que não estava a cumprir com as orientações superiormente dimanadas. Sei que a nível mundial o Panda é um animal em extinção, mas parece que por cá estava a tornar-se um “ animal em expansão”, e parece que a dupla PIN & PUK acabou com a banga e enviou mesmo um já um recado: Pandas, só na China de onde eles são originários.

O dengue Zezito Nguimbola tem uma criatividade do caraças e gosta de dar nomes as duplas que temos na Police, por exemplo: Aquele da Ordem Pública que andam um homem e uma mulher juntos, ele chama de Banda Calypso. Aquela dupla que andam nas motos ele chama de Leandro e Leonardo.



Kinito não te conto então, semanas atrás o dengue “ Pitabué” foi ameaçado pelos Dikotas Come todas, o Peneira, o Redes (para este tudo que caí na rede é peixe, ele não complica), porque o dengue tá já muito ambi, pois quer pitar já quase todos os brotos ao ponto de quase invadir a aérea de jurisdição dos Dikotas. Possas, estes miúdos de agora não sabem que antiguidade é um posto? O dengue Pitabué respondeu mbora nos Dikotas:



- Dikotas o Cabrito come onde está amarrado! Se estou amarrado aqui, é aqui que vou continuar a papar yá! Manda lixar. Como dizem os americanos: Life is short, Play hard!



Meu irmão isto agora é que são os chamados “ Casos e Acasos”, ou seja cada um com cada qual. Eu que mbora já tenho a fama mas sem proveito, estou seriamente a pensar começar a tirar proveito desta fama. Porque a variedade é muita, embora que sobre a qualidade não podemos dizer a mesma coisa.



É que elas encontram-se distribuídas por grupos, e nas empresas por cá tu encontras os seguintes grupos:



As Shakiras: São as damas boas do pedaço, são as boazudas. São calculistas, gostam de gingar, usam roupas curtas e justas, só usam fio dental ou asa delta e na maior parte dos casos têm tatuagem. Quando andam parece a Shakira a dançar, e no seu olhar denota-se implícita a expressão: Eat me! O seu alvo preferencial é a chefia, os cabolas não lhes interessam. Mas não são mulheres muito inteligentes, são imediatistas e gostam do lucro fácil.
2. As Baixo Nível (também conhecidas por “ Me leva que eu vou”): Estas são as mais fáceis, estão sempre disponíveis. Basta só um saldo de 10, ou então uma sessão de cinema no Belas, ou ainda um lanche no Jango, as vezes umas birras e hambúrguer na roloute da tia Fefa resolve o problema. A maka destas é que são muito “ disponíveis” e qualquer muadié lhes leva, e se um gajo do meu nível e calibre faz um Move (um movimento, um arrasto), ela vai já espalhar para todo mundo e depois “ borra a postura”dum gajo.



3. As Titanics: Estas estão encalhadas. A situação para estas jovens está critica, o seu slogan è: “ Haja homem! “. Esta situação muitas vezes é causada pelo facto de serem muito selectiva na escolha dos parceiros, isto faz com que afugentem os supostos candidatos. São por norma muito pouco sociáveis.



As “ Colega não apanha nada” : Estas são aquelas são na maior parte damas belas e inteligentes, e com elas é só trabalho e para além do trabalho … só trabalho mesmo. São simpáticas, prestativas mas deixam longo bem patente que não misturam dever com prazer. Com estas você se contenta só já com a amizade e camaradagem, pois se te armares em esperto vão te dar um não bem grande.


As Ngaxi wa Kudiwa (ou Galinhas Velhas): Aqui a chaparia está bala mas o motor está a babar óleo, a montra é muito bonita mas o armazém esta todo malaique. São mesmo galinhas velhas e só servem mesmo para fazer canja, ou seja para pitar quando um gajo está mal. São jovens já muito rodadas, com muitos quilómetros de estrada. Nestas estou fora meu mano.


Tens razão Kinito, por isso é que falam mal. Mas já vi que falar mal não mata ninguém, porque se assim fosse nós por cá já estaríamos mortos porque aqui: todo o mundo fala mal de todo o mundo. Somos uns autênticos Mutantes pois à frente falamos bem uns dos outros, mas por trás se falamos mal, no salú se falamos bem mas na rua se falamos mal.

Nós somos uma raça lixada, que ficamos só a falar mal dos outros, tipo:



- «Essa namora com aquele»

- «Vestido daquela é assim, sapato do outro é assado»

- «Porque essa veste roupa emprestada»

- «Aquele é um mulherengo e bêbado sujo»

- «Essa daí namora com marido alheio»

- «Este então dinheiro dele é de feitiço»

- «Este manda muita boca aqui, mas quem mete dinheiro em casa é a mulher»



Kinito, eu admiro esta malta pá que se junta mesmo para falar mal dos outros quando até na Universidade não estão a lhe deixar fazer provas porque tem propinas em atraso; Em casa não deixou matabicho para os candengues mas aqui está preocupado com o outro que está a viajar; O carro que está há 3 meses no mecânico, e ele até agora não consegue pagar a reparação mas chega aqui está preocupado com o fio de ouro que a colega colocou, se é verdadeiro ou falso; Na casa dele até luz cortaram por falta de pagamento, mas ela está mbora preocupado com o carro novo da colega??? Saber quem lhe deu dinheiro, onde foi buscar a massa.

Vida dele (a) então está lixada: as dívidas não paga, sustento nos filhos não está a garantir, cartão da Parabólica já acabou há bué, nem massa para pôr combustível no carro tem??? Mas está mbora preocupado (a) com a vida alheia? Angolano deixa disso, isso não é vida. Assim não vamos para a frente, deixar os outros bumbar.



É que esta praga de fofoqueiros (e fofoqueiros) andam a infestar as empresas pá, e vou te dizer como eles são chamados:



Fofotal – É o fofoqueiro (a) da TOTAL.
Fofesso – É o fofoqueiro (a) da ESSO
Fofangol – É a fofoqueira da Sonangol.
Fofopina – É o fofoqueiro (a) da Panalpina.
Zongalamento – Actividade praticada pelos zongolas do Banco de Fomento.
Fofodiam- É o fofoqueiro (a) da Endiama.
Tri fofo – Até parece a estória dos três porquinhos? Mas é o fofoqueira (a) das três AAA, e normalmente andam em grupos de três.


Kinito isto é outra Maka Mais….



Kinito então na segunda-feira passada houve tolerância de ponto por causa do jogo com o Uganda (mesmo com o apoio popular empatamos). Estas tolerâncias de ponto que ao nível da imagem do pais só nos tiram pontos, pois o país precisa mazé de trabalho. Mas o importante é que estas tolerâncias de ponto intoleráveis tragam votos, pois é necessário que as massas compareçam em massa, e sem levar massa porque o acesso ao estádio é livre.



É que depois criam-se nos locais de trabalho um suspense tal, uma ansiedade incontida para ouvir pela rádio o “ Douto Despacho” do GPL, e quando saí aquilo é um corre-corre, um autêntico banzé que até parece as corridas de atletismo em que todo o mundo está na linha de partida a espera do tiro de largada. Meu irmão, quando sai o Despacho (que curiosamente sai sempre na hora do almoço), aquilo é “ tirar o pé”, “ sair voado”. Então você sai mesmo já sem autorização da entidade patronal? Então você ninguém mais te manda? Você já é o Manda – Chuva? Então no dia seguinte vou te exigir mais 30 minutos de trabalho, se vira nos 30! Até houve um gajo na rádio que propôs, que os jogos da Selecção Nacional de Futebol passassem a ser realizados nos dias da semana, e sempre acompanhados das respectivas tolerâncias???? Mas então não se trabalha mais? Bem, mas até Setembro tudo é possível. É outra Maka Mais….



Meu Kamba Kinito desculpa ter ficado tanto tempo sem te escrever, mas é que agora tenho de escrever para ti apenas nos fins-de-semana. É que há aqui algumas pessoas (são invejosos, e malaiques), que lhes falta uma dimensão cultural e gostam de ir me queixar. Andam a ir queixar que escrevo estes mambos nas horas de trabalho??? Para quê só caluniar o outro? Se a cabeça mbora é boa, deixa só o outro escrever, pois o povo até gosta.



Manda noticias aí da Tuga, e um abraço aos meus “ povos”. Controla aquela gaja da Mariana, e lhe diz que em Agosto vamos se matar saudades.



Tchau.



Ilustre.



Luanda- Angola.

terça-feira, junho 24, 2008

Américo Tomás/Discurso directo


Américo de Deus Rodrigues Tomás (ou Thomaz) (Lisboa, 19 de Novembro de 1894 - Cascais, 18 de Setembro de 1987), político e militar português, foi o décimo quarto Presidente da República Portuguesa (último do Estado Novo).


--------------------------------------------------------------------------------

«É a primeira vez que estou cá desde a última vez que cá estive.»
«Hoje visitei todos os pavilhões, se não contar com os que não visitei.»
«Comemora-se em todo o país uma promulgação do despacho número Cem da Marinha Mercante Portuguesa, a que foi dado esse número não por acaso mas porque ele vem na sequência de outros noventa e nove anteriores promulgados....»
- in revista Opção, ano II, n.º30
«...É uma terra [Manteigas]bem interessante, porque estando numa cova está a mais de 700 metros de altitude...»
- in O Século, 1/6/1964
«A minha boa vontade não tem felizmente limites. Só uma coisa não poderei fazer: o impossível. E tenho verdadeiramente pena de ele não estar ao meu alcance.»
- in Diário de Notícias, 23/6/1964
«O Sr.Prof.Oliveira Salazar, ao longo de mais de trinta anos, é uma vida inteiramente sacrificada em proveito do país, e desconhecendo completamente todos os prazeres da vida, é um homem excepcional que não aparece, infelizmente, ao menos, uma vez em cada século, mas aparece raramente ao longo de todos os séculos.»
- in Seara Nova, Maio 1965
«Eu prolongo no tempo esse anseio de V.Ex.ª e permito-me dizer que o meu anseio é maior ainda. Ele consiste em que, mesmo para além da morte, nós possamos viver eternamente na terra portuguesa, porque se nós, para além da morte vivermos sempre sobre a terra portuguesa, isso significa que portugal será eterno, como eterno é o sono da morte.»
- in Diário da Manhã, 14/9/1970
«Neste almoço ouvi vários discursos, que o Governador Civil intitulou de simples brindes. Peço desculpa, mas foram autênticos discursos.»
- in Diário de Notícias, 14/9/1970
«Pedi desculpa ao Sr.Eng.º Machado Vaz por fazer essa rectificação. Mas não havia razão para o fazer porque, na realidade, o Sr. Eng.º Machado Vaz referiu-se à altura do início do funcionamento dessa barragem e eu referi-me, afinal, à data da inauguração oficial. Ambas as datas estavam certas. E eu peço, agora, desculpa de ter pedido desculpa da outra vez ao Sr.Eng.º machado Vaz.»
- in Seara Nova, Agosto 1972
- Por vezes, um censor mais inteligente riscava uma frase tola demais, o que acabava por acentuar a ironia: o mais alto magistrado da nação censurado....
- retirado do livro "Frases que fizeram a História de Portugal" por Ferreira Fernandes e João Ferreira