quarta-feira, março 19, 2008

No Jornal de Angola/16 Março/Artigo do Artur Queiroz


18 de Março de 2008
in Jornal de Angola, um artigo do Artur Queiroz...

O comerciante desalmado

Artur Queiroz|

José Eduardo Agualusa deu uma entrevista a um blogue português e disse que há torturadores angolanos que são tratados em Portugal como grandes escritores. Como não nomeou ninguém, quem ler a entrevista (ainda está na Internet) vai presumir que todos os grandes escritores angolanos se dedicam à tortura. Ou quando algum leitor estiver na presença de um desses escritores vai pensar que está a ver e ouvir um torturador. O senhor José Agualusa lançou um manto de calúnia sobre todos os seus confrades o que é muito grave. Mas mais grave foi ter dado a bofetada e escondido a mão. Como não nomeou os torturadores, ninguém pode defender-se de tão grave acusação. No tempo em que os animais não falavam, isto era cobardia. E um cobarde vale tanto como os seus gestos repugnantes.
A entrevista do blogue não é um caso isolado, longe disso. E no passado fim-de-semana, o presumível escritor voltou a atacar, desta vez três poetas que estão mortos e por isso nem sequer podem fazer a sua defesa. A cobardia aqui assume a dimensão de um assassinato de carácter o que faz de Agualusa uma figura com todos os predicados para entrar na minha lista pessoal dos leprosos morais. Para já não entra porque tenho pena dos outros. Passa sem reparo a falta grave de se apresentar como jornalista, mas já não passa esta frase que retiro da entrevista: “uma pessoa que ache que o Agostinho Neto, por exemplo, foi um extraordinário poeta é porque não conhece rigorosamente nada de poesia. Agostinho Neto foi um poeta medíocre. O mesmo se pode dizer de António Cardoso ou de António Jacinto”.
António Cardoso era pequenino mas tinha uma fibra que ainda hoje faz os esbirros do colonial fascismo espirrarem canivetes. Já António Jacinto e Luandino Vieira tinham sido libertados do Tarrafal mas como residência vigiada em Portugal, ainda António Cardoso penava na frigideira. Foi o último preso político a ser libertado. Regressado a Luanda foi para a Redacção da Emissora Oficial onde coordenou o turno da noite. Mas também fazia o programa cultural Resistência, um trabalho extraordinário. Meteu tanto medo aos esbirros que um dia foram buscá-lo à emissora, levaram-no para um cárcere privado e torturaram-no. Os seus colegas da rádio entraram em greve e conseguiram salvá-lo da morte certa. Acumulou com o seu trabalho na rádio um suplemento literário no Diário de Luanda, ajudado na escrita pelo Luciano Rocha e pelos gráficos Domingos Alves e Airosa (onde andam vocês, velhos companheiros?). A vida do António Cardoso é o mais belo poema que alguma vez se escreveu. Vem agora um rebento de ximba abocanhar-lhe os calcanhares. Mesmo depois de morto, António Cardoso ainda faz tremer a canalha. Que grandeza!
Eu viajei no comboio malandro entre o Zenza e o Golungo. Só um capataz despeitado não vê poesia na resistência passiva de um povo escravizado que finge que empurra o comboio mas não empurra. Eu conheci milhares de contratados, os pobres “bailundos”, nas roças Pumbassai, Alto Dande, Pingano, Poço e Irmãos, Muzekano e muitas outras. António Jacinto pegou na mão de um deles e escreveu uma carta de amor que voou do Kazengo para o mundo como um pombo verde de papel. E com as melhores sementes da liberdade, o poeta ainda relatou o grande desafio que nos levou onde estamos. Vem agora um capataz despojado do chicote e armado de uma pena venal, cuspir no túmulo do mestre.
Agostinho Neto guiou o seu povo pelo caminho das estrelas. Que outro poeta na História Universal libertou a sua pátria com poemas e fuzis? A grandeza da obra literária de Agostinho Neto foi reconhecida em todo o mundo por académicos, professores, críticos literários e confrades. Vem agora uma flatulência retardada do colonial fascismo sujar a sua memória com uma tentativa de assassinato de carácter. O senhor José Agualusa tem o direito de dar a sua opinião. Mas não pode dizer que quem considera Agostinho Neto um grande poeta “não percebe rigorosamente nada de poesia”. Quando a arrogância se associa à ignorância e ao despeito, só pode dar Agualusa. Mas por muito que lhe custe, o império colonial caiu mesmo e já não volta a ressurgir dos escombros. E nem o facto de ser um angolano tardio ou um balbuciante empregado de balcão no difícil comércio das palavras lhe desculpam o atrevimento e a cobardia de bater em quem não pode defender-se.
O que me deixou mais preocupado na entrevista de Agualusa foi ter-se refugiado na amizade de Mena Abrantes e João Melo. O moço agrediu, cuspiu e depois foi avisando que tem amigos no campo das letras. João Melo é um camarada, um amigo e sobretudo um homem honrado. Quanto a Mena Abrantes partilhei com ele a minha casa quando chegou do exílio em 1974 e foi pela minha mão para a Redacção da Emissora Oficial de Angola, hoje RNA. É um homem impoluto. Presumo que ambos perderam o sentido do olfacto. Caso contrário, quando recebem a visita de Agualusa, devem contorcer-se com vómitos. Cuidem da saúde, queridos companheiros! Quanto a José Agualusa quero dizer-lhe que os angolanos não têm culpa que tenha crescido tão pouco e que o seu estrabismo o impeça de ver para além da tampa da sarjeta. Quem nasce e cresce pequenino fica mesmo assim até ao fim. Nem todos podem ser grandes e só são dignos os que sabem viver entre as fronteiras da honra e da dignidade. É pena que não tenha aprendido esta lição.


PS: Conheço todos os volvidos, envolvidos, devolvidos e por aí fora!

Fernando Pereira

14 comentários:

Bruma disse...

... não sabia que herói já era sinónimo de poeta... mas está bem, 'stá.

Anónimo disse...

Ainda não percebi. O António Cardoso e o Agostinho Neto são considerados grandes poetas por quem? Que tenham sido grandes homens, heróis da humanidade, etc, etc, enfim. Mas grandes poetas, exactamente porquê?


Pedro

Anónimo disse...

Admito que por incapacidade minha não tenha percebido onde está o assassinato de carácter; basta o Fernando Pereira acreditar para isso ser verdade?
Lamento, mas articulou para aí uma sequência de inconsequências, e é o tanto que me atrevo a comentar, sobre a educação com que o fez... não tenho recursos para o fazer.

Uma pergunta: acha incoerente eu achar muito má a escrita do Alexandre Herculano, e tê-lo em boa conta enquanto ser humano? Ou o contrário quanto ao Camilo Castelo Branco...?

Paulo Cisne

karipande disse...

Até ao momento só tenho colocado transcrições, exceptuando o concordar com o que disse o Artur Queiroz, já que a mim não é a discussão em torno da poesia que é importante(Nisso, eu e o Agualusa estamos no mesmo patamar), mas aborreceu-me o tratar escritores que prezo por "torturadores".É tão indelicado como chamar ao Agualusa um mercenário da cultura....
Fernando Pereira

Anónimo disse...

Agostinho Neto foi um poeta.
Dizer-se que que foi um grande poeta é muito discutivel e so comparando com outros que nunca tiveram lobbys nem financiamentos a promover as suas obras.
Neto alem de poeta foi mediocre e criminoso.
Conseguiu sempre neutralizar os seus companheiros com a postura e suavidade de um pseudo e bom poeta.
A verdade esta na sua imagem perante a realidade e o seu envolvimento em relação as matanças.

Aparências disse...

Caro Fernando,
Os gostos não se discutem, lamentam-se.
Só estima o Artur Queirós quem não o conhece de facto, como parece ser o seu caso, embora esteja convencido do contrário.
Desafie-lhe por exemplo a republicar os textos que escreveu em Lisboa nos idos de 77/80 para o semanário Página Um quando era mais português que o Luís de Camões e tratava Angola como mais uma repressiva república das bananas onde estava implantado um tenebroso "socialismo de sanzala". Naquela altura ele escrevia a verdade, sem nenhum contrato de prestação de serviços jornalísticos, como acontece agora.
Espero que não censure este recado e tenha a coragem de o publicar no seu blogue.
Um abraço a partir de Luanda quem o lê habitualmente no Novo Jornal.
Passe bem.

Anónimo disse...

Quem é o senhor Artur Queroz?...

Anónimo disse...

Quem é o senhor Artur Queiroz?...

Os outros de quem fala conheço-os.

Anónimo disse...

É assim "APARÊNCIAS" mudandam-se os tempos mudan-se as vontades e as conveniências.

E ainda dizem que os alfaiates são uma profissão em extinção.

Onde é que o Artur Queiroz foi virar a casaca?

Anónimo disse...

De: Aparencias

Caro Fernando,
As minhas sinceras desculpas por ter desconfiado da sua "coragem".
Felizmente a malta do Salvador Correia sempre vai fazendo a diferença pela positiva, com algumas conhecidas e lamentáveis excepções.
Agora só falta mesmo o Artur Queirós ter em devida conta a nossa sugestão "turística", relativa a viagem ao seu passado jornalístico, quando, depois de ter abandonado Angola às pressas, montou banca em Lisboa de onde, literalmente, metralhava furiosamente tudo quanto se mexia por estas inóspitas paragens africanas.
O problema, como é evidente, não está no seu passado.

rijoduro disse...

O senhor Artur Queiroz caracteriza-se pela linguagem grosseira e insultuosa que utiliza. As mediocridades jornalísticas são assim mesmo - é só inveja e despeito. O Agualusa é já hoje um escritor de grande mérito, reconhecido internacionalmente, motivo de orgulho para angolanos e outros cidadãos da lusofonia. Concordo com ele. Há que separar as coisas: um herói nacional, ou um grande revolucionário não fica diminuído nesse papel pelo facto de ser um poeta medíocre.

Anónimo disse...

Já conhecia a catilinária despeitada de um frustrado arrogante.

Bem hajas Artur Queiroz pela tua opinião em defesa de Homens e poetas angolanos que, através dos seus poderosos poemas, hoje como ontem arrepiam quem os lê ou ouve, sobretudo quem viveu e sentiu a Angola colonial.

A estupidez e a cegueira bafienta deviam doer, pois se assim fosse nem com morfina o desalmado resistiria.

Anónimo disse...

Já muito se disse e se escreveu a respeito desse assunto. A mim só admira que todos tenhamos dificuldades em perceber porque não são os críticos literários a emitirem opinião a respeito. Aliás, até facilitava se se encomendasse um estudo para o efeito. Dizer que a vida de alguém é um lindo poema não significa que esse alguém seja um poeta de mãos cheias...

Venceremos! disse...

E no entanto Sr. Fernando Pereira, e apesar de tanto os prezar, foram torturadores sim. Conheço quem tenha sofrido muito nas mãos desses supostos escritores.